Etiqueta Social está fora de uso. Tenho fé que ressuscite, para o bem de todos.

 

 

 

Para de implicar e rejeitar a etiqueta social.

Pelo amor dos meus filhinhos!!!rs, pelo amor a você e à sociedade do bem!

A etiqueta social ou regra de convivência, foi criada para uma sociedade machista, para destros e heterossexuais, mas, com um pouquinho de jogo de cintura, conhecimento e astúcia, estamos adaptando estas regras para os dias de hoje tentando corrigir estas premissas.  Mas acredito ser essencial para vivermos em sociedade, em grupos, em família, no trabalho ou até na vida a dois (hoje até a três, observando a legalização do pluri amor); relações nas quais queremos nos sentir bem e fazer com que as pessoas se sintam bem ao nosso redor.

Até o sadomasoquismo requer regras de convivência, não? Imagine então, que estas regras possam viabilizar o bom resultado das intenções que você tem, seja em que direção for.

Estas regras que prefiro chamar de sugestões de civilidade, eficiência e elegância, ajudam a conviver em harmonia, facilidade e graça, nos fazendo vencedores em nossos objetivos. Foram criadas e postas a disposição de pessoas de qualquer nível financeiro, raça ou sexo. É democrática e está ao alcance de todos pela facilidade no aprendizado e execução do mesmo, acesso via google ou livros. E a partir de agora  no meu blog também.

São atitudes que também podem reafirmar nosso bom ou mau caráter, corrigir e edificar enormemente a convivência com mais facilidade nos relacionamentos. Sem julgamentos, ok? Cada um é o que quer ser, mas incontestável a forma de se identificar ou de identificá-los. Basta observar os gestos, palavras e atitudes; e atenção aos que pregam uma coisa e agem de forma oposta.

Aos poucos tentarei trazer conhecimento e sugestões, com pequenas adaptações à etiqueta clássica, que considero importantes para os dias atuais. Principalmente ao que diz respeito saber frequentar e saber receber, afinal, trabalho com eventos há mais de 25 anos.

Observando as formas de convivência, acredito que as pessoas se dividem em: mal-educadas, bem-educadas e sem educação; menos mal as que agem por observação e cópia de uma boa “amostra”: esta é uma dica para seguir, quando não se sabe o que fazer à mesa com os talheres.

Gangues, famílias, relacionamentos, equipe de trabalho, hábitos sexuais se formam em torno de sugestões ou regras de boa convivência para atingir bons resultados, com o intuito de durarem (os relacionamentos) com saúde física, mental e até mesmo espiritual. Muito raro ou uma exceção, quando, sem regras, a convivência se dá sem sacrifícios.

Vamos observar também as regras ou leis do homem, dos animais, da natureza, do Universo ou de Deus (para quem acredita nele). Compare às sociais.

Confesso que acho um crime social alguém ser convidado para um evento e não responder se irá ou não, depois e obviamente, claro, de agradecer o convite. Considero um crime alguém que foi ao evento, não cumprimentar ou agradecer o anfitrião (que preparou com amor, esmero e investimentos diversos) nos primeiros dias após evento. Se não flores com um cartão, um telegrama ou WhatsApp. E assim é possível montar uma lista de mau gosto, mau comportamento e caráter de pessoas que se dizem “da sociedade” e não sabem se comportar à altura de seus anfitriões.

Na rua é o melhor local para identificar aqueles que não conseguem viver em harmonia e elegância na sociedade. Vejo tantas barbaridades que tenho pena daqueles que tem o infortúnio de conviver com tais pessoas.

Acredito na gentileza e nobreza de quem agradece, elogia e prestigia independentemente de saber quem é a pessoa em questão num determinado fato ou acontecimento. Isto é ser elegante, ser do bem.

Nossa elegância está em nossos gestos e palavras. Se você não presta atenção nisto, leia um pouco, faça um curso, leia meu blog. Vai se sentir mais feliz, amado, leve e confiante.