Falta gestor de eventos no Carnaval no Rio, que horror! uma pena.

Se você ainda acredita no Carnaval no Rio, venha preparado, porque tem de tudo. Se você está disposto a investir 2.500 reais por noite para um camarote na Sapucaí, 3.000 reais pelo Baile no Copa, certamente vai ter tranquilidade, banheiro, comida , musica e gente bonita ao redor. Simples e caro. Em quatro pessoas, são 10 mil por uma noite na Sapucaí e 12 mil pelas marchinhas no Copa.

Ficar na programação só da noite, tudo bem, mas como não participar dos bloquinhos de rua pela manhã ou a tarde querendo reviver o bom Carnaval do passado? Take Care!  A desorganização é de calamidade total. Impressionante a falta de coordenação destes blocos e a falta de consideração com o folião. Marcam o dia e a hora, provocam milhares de dezenas de pessoas: 10 a 50 mil pessoas e só oferecem som para 1 mil. é simplesmente ridículo. O carro de som, que está bem aquém de um trio elétrico da Bahia, não abrange com a música mais do que uma quadra de rua. Para quem está ali bem do lado, ouvindo o som e as letras das músicas, anima-se com todos dançando ao redor, num esforço tamanho em tentar recriar a good vibe dos bons tempos que eles nem sequer conheceram, mas imaginam. Só. Passando uma quadra dali, vamos juntando um monte de gente que não sabe se o carro de som vai andar ou não, se vai passar por onde prometeram. Chequei com a polícia e nem eles sabiam se o carro ia avançar e para onde. São milhares de pessoas enganadas. Sacanagem. Passei por centenas de jovens com suas fantasias e fantasias; das mais bizarras às mais produzidas. Simples e divertida é a característica da grande maioria.Umas dez quadras estão envolvidas com o evento; dezenas de ambulantes vendendo cervejas, agua e adereços. Um evento capaz de movimentar dezenas e dezenas de pessoas e seus business; vendem a promessa de uma manhã ou tarde de diversão. Mas qual o que. O pobre carro de som não atende a 10% dos foliões. Muitos ficam a espera da passagem do carro na rua A ou B, paralela ou transversal. Ali esperam por duas ou tres horas sem saberem que o Carro resolveu fincar as rodas na rua X e dali não sairá. Porque “a banda sentiu que a vibe estava legal” e decidiu ficar ali curtindo aquelas dezenas de pessoas que se arriscaram e se espremeram para chegar  perto da cordinha do carro de som. Como disse, sacanagem com toda a galera que foi prestigiar o tal bloco.

A gestão do evento está falida. Bora arrumar isto, gente?! É tão fácil organizar!!!!!!

É só organizar um bloco em cada rua, com intervalo de 2 horas, numa sequencia de tres paralelas. Teremos musica e acolhimento aos foliões que se deslocam de diversos lugares da cidade em busca de um bloquinho de carnaval de rua. Seria a solução para tal descaso. Acho que está faltando um gestor de eventos competente na cidade do Rio de Janeiro. AFFFF MARY!!!! Tão simples! Ou como em Salvador, que num mesmo percurso, vários trios elétricos participam  ao mesmo tempo, na distância de 2/3 km.

Hoje, sao varias paralelas e transversais com gente linda, fantasias criativas, joviais e divertidas investidas ao  descaso dos organizadores.

Já a Banda de Ipanema morreu e não sabe. Atrai milhares de indigentes e trombadinhas que causam o stress e pânico dos foliões. Uma banda cujo som não atinge meia quadra de rua por não ter nada eletrônico como simples caixas de som. Muito burburinho para baixíssima qualidade e nenhuma logística. Morreu e não enterraram. Enterrem a Banda de Ipanema ou renovem sua diretoria e ponham jovens empreendedores!!!!!!

Blocos mais novos, bem mais preparados para acolher os foliões existem, mas carecem de um organizador que os valorize e que, principalmente, valorize os foliões, que cuidem dos turistas. Já ouviram falar em  RESPEITO? É isto que falta: respeito aos milhares de foliões que gastam seu dinheiro nos hotéis do Rio de Janeiro, com taxis, alimentação e fantasias. O mínimo que merecem é música e ambiente seguro para brincarem o carnaval. Vi dezenas de policiais conversando nas esquinas e meninas sendo agredidas por trombadinhas a cem metros dali. Fracos.

Tá na hora do Rio transformar seus Blocos incompetentes em Blocos profissionais, como os da Bahia. Que vendam abadás, façam cercados de cordinhas e com o dinheiro de abadás e patrocinadores, inclusive o Governo, invistam em carros de som de qualidade e potência; que ofereçam segurança aos foliões e boa música; chega de amadorismo e falta de consideração. Algo que funcionou foram os banheiros químicos com pessoas fazendo a manutenção da limpeza, patrocinados pelas Cervejarias.

Ta na hora do Rio contratar um bom gestor de eventos para organizar esta zorra de carnaval de rua. Décadas atrás eram blocos pequenos, algo que não demandava maiores cuidados; Mas faz tempo que isto mudou.

Como é uma pena o preço altíssimo para se assistir aos desfiles das Escolas de Samba; programa para abonados; o povo ficou de fora. R$ 600,00 reais o convite mais barato para assistir da arquibancada, uma noite. Caro, né?.

Ta na hora do Rio manter a cidade limpa para que seus habitantes não debandem e voltem a ter vontade de assistir e viver o Carnaval em sua cidade; Tá na hora do Rio garantir segurança aos nossos jovens para que brinquem o Carnaval sem tomar um soco no queixo como vi no bloquinho; e que a polícia prenda o trombadinha babaca que, cercado por outros dez imbecis, fizeram um cerco de segurança para o machão socar a jovem, linda, que tentava brincava de boa no calçadão esperando a falecida banda de Ipanema passar.

Sofri na banda de Ipanema e pude curtir o Bloco Areia no Leblon, porque insistimos em chegar perto do carro. E na saída, na volta, pude observar toda esta falta de consideração  relatada acima. Uma pena. Não pena de faisão ou pavão, mas pena de dó, de tristeza. Ouvi  turistas e cariocas reclamando da maioria dos blocos.

Que ressuscitem o Carnaval para os brasileiros foliões!!!!!! Onde estão os Bailes dos Clubes, os Bailes com Concurso de Fantasias? Os blocos de fantasia para uma brincadeira saudável de carnaval?

Se houve a necessidade de sairmos de dentro dos Clubes e tomar as ruas anos atrás, está na hora de voltar lá para dentro, por mais segurança, por mais qualidade e também para reunir pessoas de mesmo interesse. A violência está demais! Em salões de festas e clubes pode haver revista na entrada  e monitoramento por câmeras para garantir a segurança de todos.